Archive | grendha RSS feed for this section

Uma breve linha de tempo da História da Moda

14 May

Que tal descobrir como era a  moda nas décadas de 60, 70, 80, 90 e 2000? Aqui, você vai ver como as mulheres se vestiam, além de conhecer os maiores estilitas do país em cada época, além de influências, ícones etendências.

1960

A modelo Twiggy é um referencial de beleza. Nesse período, os Beatles faziam grande sucesso, por isso o cabelo no estilo Beatle era muito usado. As mulheres usavam muitos cílios postiços, delineadores, batons clarinhos e sombras claras.

Como as mulheres se vestiam em 1960?

Muitas estampas e cores mais vibrantes, tailleur no estilo Chanel, minissaias.

Quais os estilistas de maior destaque na época?

Clodovil, Dener, Alceu Penna, Guilherme Guimarães.

Quais as musas da década?

Aqui: Rita Lee, Wanderléa, Ieda Maria Vargas, Maria Tereza Goulart.

Lá fora: Twiggy, Jane Fonda, Audrey Hepburn, Jacqueline Kennedy.

1970

Aqui, a influência hippie, retrô, disco e glitter são muito fortes. As ondas frisadas nos cabelos viram moda, franjas lisas são muito usadas, lábios e olhos super marcados.

Como as mulheres se vestiam em 1970?

Roupas artesanais, saia-calça, vestido-camisa e envelope, calça boca-de-sino, tailleur, chemisier, todos os comprimentos, calça e túnica.

Quais os estilistas de maior destaque na época?

Fiorucci, Markito, Zuzu Angel.

Quais as musas da década?

Aqui: Regina Duarte, Vera Fischer, Carmen Mayrink Veija, Dina Sfat.
Lá fora: Cher, Diane Keaton, Farah Fawcett, Caroline de Mônaco.

1980

Em 1980, as mulheres usam muita maquiagem colorida, batons vermelhos e cabelos bem armados. O corpo está em evidência.


Como as mulheres se vestiam em 1980?

Calça fusô e legging chegam com tudo. As mulheres usam ombros marcados, acessórios, bermudas de cintura alta, saia balonê, macacão.


Quais os estilistas de maior destaque na época?

Walter Rodrigues, Jum Nakao, Fórum, Conrado Segreto, Zoomp, Huis Clos, Reinaldo Lourenço, Glória Coelho, Ney Galvão.

Quais as musas da década?

Aqui: Maitê Proença, Xuxa, Bruna Lombardi, Luiza Brunet.

Lá fora: Madonna, Lady Di, Kim Basinger, Brooke Shields.

1990

A grande tendência da época é o retrô. A maquiagem se torna mais suave e natural. Um dos grandes ícones é a Princesa Diana.

Como as mulheres se vestiam em 1990?

As mulheres começam a se vestir com muitas estampas de bichos, acessórios, peças básicas, tailleurs, blazers, vestidos com recortes, estilo esportivo, minimalismo.

Quais os estilistas de maior destaque na época?

Lita Mortari, Maria Bonita, Ronaldo Fraga, Yes, Brasil, Lino Villaventura, Ocimar Versolato, Alexandre Herchcovitch.

Quais as musas da década?

Aqui: Glória Pires, Shirley Malmann, Glória Maria, Cristiana Oliveira.

Lá fora: Demi Moore, Meg Ryan, Kate Moss, Uma Thurman.

2000

A moda movimenta cerca de 50 bilhões por ano, emprega em torno de 1,7 milhões de pessoas. Em 1997, o país tinha só quatro cursos de Moda. Hoje, ultrapassa os 150, o que mostra o quanto o assunto moda e a moda em si tiveram um salto absurdo.

Como as mulheres se vestiam em 2000?

A customização está em evidência, assim como os acessórios. As pessoas buscam muito mais do que roupa, estilo. Cada um quer ter o seu estilo, estar bem consigo mesmo e com as próprias roupas. O corpo é muito valorizado. Retrô ganha força. Peças vintage. Consumo consciente está em evidência.

Quais os estilistas de maior destaque na época?

Jefferson Kulig, Isabela Capeto, Adriana Barra, Fause Haten. Amir Slama, Carlos Miele, André Lima.


Quais as musas da década?

Aqui: Isabeli Fontana, Gisele Bündchen, Grazi Massafera.

Lá fora: Angelina Jolie, Nicole Kidman, Madonna.

Como surgiu a calça saruel

14 May

A calça saruel vem da África e é derivada de calças com bastante volume entre as pernas, como as johdpur e dhoti. Eram fabricadas com algodão ou seda, nas cores bege e branco.

A saruel ganhou o apelido de drop-crotch e chegou com tudo às passarelas por volta de 2006. Apareceu em desfiles de Marc Jacobs, Vivienne Westwood e Givenchy. Teve muitas variações, comprimentos, estampas, tecidos.

A moda e o comportamento

14 May

Comportamento e moda caminham juntos. Veja como um influencia o outro nos anos 60, 70, 80, 90 e 2000:

Anos 60

Nos anos 60, o comportamento e a moda sofreram uma super revolução. O Prêt-à-porter, que é a moda produzida em escala industrial, chega com tudo no Brasil, se destacando em dois estados da região sudeste: São Paulo e no Rio de Janeiro. Minissaias, visual espacial e o comecinho da moda hippie mostravam a insatisfação dos jovens com a participação dos Estados Unidos na Guerra do Vietnã.

Anos 70

Depois do Festival de Woodstock, o movimento hippie ganha força total no resto do mundo. Pés descalços, roupas artesanais, patchwork, chinelinhos de couro, calça jeans boca de sino e uma sensação de liberdade, paz e amor. O movimento hippie é muito forte e dá uma base para a moda do psicodélico e do glam.


Anos 80

Você sabia que essa foi a década da formação de tribos? Cada um pertencia a uma tribo diferente, se envolvendo com o estilo e a ideologia de seus grupos. Foi a época dos punks, darks (góticos), new waves, minimalistas, yuppies, peruas e outros.

Anos 90

Nesta época, surgem novas tribos, como os clubbers, grunges, yetties, patricinhas e mauricinhos. A diferença é que eles começam a se misturar e se confundir visualmente, criando vários estilos num mesmo look. A falta de identidade passa a ser a própria identidade em si.


Anos 2000

Está tudo tão misturado que começa a existir a necessidade de uma certa diferenciação. Já não se sabe mais quem é quem, por isso, cada um passa a ser mais individualista. E como isso se reflete na moda? Cada indivíduo passa a ser seu próprio estilista. A customização se torna a grande tendência para o comecinho do século. Aqui, o estilo individual prevalece sobre a moda, que é totalmente coletiva.

Os principais estilistas da história da moda

14 May

Conheça um pouco mais sobre a vida dos grandes nomes que fazem parte da história da moda:

André Courrèges

O designer de moda André Courrèges tinha um estilo puro e minimalista, que vinha da sua paixão pela arquitetura e pelo design (ele também era engenheiro civil), sempre presentes nas linhas retas de suas criações, algumas formas geométricas e seu senso artístico super apurado.

Na cabeça dele, a mulher do ano 2000 seria andrógina, vestida com roupas plásticas e metalizadas. Nos anos 60, ele criou roupas com materiais sintéticos, plásticos e cores metálicas e sua coleção chamada “space age” entrou para a história representando a revolução Courréges daquela década.

Balenciaga

Cristóbal Balenciaga era considerado o todo poderoso da alta-costura. O espanhol era um dos poucos estilistas que sabiam cortar e costurar maravilhosamente. Ele tinha linhas clássicas e brincava com proporções e cores, criando muitas silhuetas para a mulher.

Desde 1997, o francês Nicolas Ghesquière está no comando da criação da marca, que foi comprada pela Gucci no ano de 2001.

Chanel

A estilosa e elegante Gabrielle “Coco” Chanel revolucionou a década de 20. Chanel deu mais liberdade à mulher, tirando de cena os trajes desconrtáveis e super rígidos, muito usados no século 19.

Chanel deixou sua marca eterna na moda: a bolsa com alças de corrente, o colar de pérolas, o tailleur e o vestido preto serão para sempre símbolos de status e estilo. Seu perfume a tornou milionária. O Chanel N°5 foi criado em 1921 por Ernest Beaux. Chanel disse para Ernest que queria “Um perfume de mulher com cheiro de mulher”. No frasco art déco, o Chanel Nº5 foi o primeiro perfume a levar o nome de uma estilista.

O diretor da marca e estilista alemão Karl Lagerfeld, é, desde 1983, revitalizou o estilo clássico criado por Chanel.

Dior

Christian Dior modificou a forma de se vestir depois da Segunda Guerra Mundial e criou o estilo dos anos 50. Todos proporcionavam simplicidade e conforto e ele veio para revolucionar: propôs luxo e super feminilidade.

A grife de Chrstian Dior sobreviveu à  morte dele, em 1957, e permanece luxuosa e sofisticada. Desde 1997, John Galliano é o grande criador da marca.

No ano de 1947, Dior mostrou sua primeira coleção, chamada de New Look por uma redatora da revista Harper’s Bazaar americana. O New Look tinha saias que iam até os tornozelos, cinturas bem marcadas e ombros naturais. O modelo que se tornou o símbolo da coleção foi o “tailleur Bar”, um casaquinho de seda bege acinturado, ombros naturais e saia preta plissada quase nos tornozelos. Luvas, chapéu e sapatos de salto alto complementavam o look, sempre impecável. Os anos 50 foram marcados pelo glamour.

Em 1997, a boneca Barbie fez uma edição limitada e foi vestida com o “tailleur Bar”, de Dior.

Elsa Schiaparelli

A italiana Elsa Schiaparelli não criava somente roupas e acessórios, mas obras de luxo, que impressionavam e destacavam a mulher que as vestia. A estilista era conhecida como Schiap e viveu em Paris na década de 30. Trabalhou junto a Salvador Dalí em diversas criações, como o chapéu-sapato, a bolsa em formato de telefone, o tailleur com diversas bolsas em forma de gaveta e o vestido decorado com uma enorme lagosta.

Elsa tinha um estilo excêntrico e moderno e criou um tom de rosa eletrizante, que deu o nome de “shocking”, o conhecido rosa-choque.

Givenchy

Hubert de Givenchy tinha a elegância como marca nas suas criações. O francês foi reconhecido no mundo inteiro por seu trabalho refinado. Givenchy se aposentou em 1995 e o responsável pela criação da marca é o inglês Julien Macdonald, que substituiu Alexander MacQueen em 2001.

A eterna bonequinha de luxo Audrey Hepburn mostrava o ideal de glamour que Givenchy queria para seus modelitos. Era a mulher perfeita e elegante para usar suas criações e estava sempre linda.

Ele criou o guarda-roupa que vestiu Audrey no filme “Bonequinha de Luxo” e se tornou um exemplo de sofisticação.

Yves Saint Laurent

Saint Laurent é um dos maiores destaques da alta-costura do século 20. Com mais de 40 anos de carreira e cerca de 70 coleções, tem infinitos produtos que levam sua marca e são vendidos em todos os lugares do mundo. O estilista deixou o mundo da moda e apresentou seu último desfile em 2002, onde fez uma retrospectiva de suas criações.

O smoking feminino, que foi apresentado pela primeira vez em 1966, com uma blusa transparente e uma calça masculina, é a grande marca de Yves Saint Laurent. O traje passou a desfilar em todas as coleções dele. “Le smoking” indicava uma mudança na forma como as mulheres iriam se vestir e se comportar dali para a frente. A liberdade mostrada por Chanel ganhou força e poder com o novo traje, mostrando uma nova atitude feminina.

Hello world!

13 May

Welcome to WordPress.com. This is your first post. Edit or delete it and start blogging!